Google+ Followers

segunda-feira, 13 de junho de 2016

A Professora de matemática

Bem sei que o nosso título nos remete às redações dos anos iniciais do ensino fundamental, mas eu pretendo falar apenas do sujeito - A professora de matemática.
Sinceramente, eu não imaginava quem seria meu primeiro sujeito, muito menos sobre qual núcleo seria o primeiro texto. Mas ela, a professora, chegou em minha sala de trabalho e, durante os vinte ou trinta minutos em que esteve falando baixo e rouco, me convenci de que deveria ser considerada, mesmo não fazendo parte de um dos núcleos da moda - políticos, atletas, artistas ou grupos e associações em movimentos reinvidicatórios ou revolucionários.
Não pedi permissão para publicar seu nome, mas creio que não haverá exposição em dar suas caracteristicas: 46 anos - muito moça ainda. Magra, sem nenhuma ostentação de vaidade: jeans, sapatilha, baby look, cabelo loiro natural amarrado em rabo de cavalo e uma bolsa azul enorme.
Queria aposentar-se. Com pouquíssimas palavras procurou sobre seus direitos e tempo de serviço e, por nada, chorou pedindo desculpas: "estou deprimida, estou doente...". A conversa não era comigo, mas confesso que quase chorei junto.
Contou-nos que fazia jornada tripla, sem acrescentar os cuidados da casa, filhos e marido. E eu me perguntei "por que trabalhar tanto?" - E eu me respondi mil respostas.

Sujeito: a professora de matemática.
Núcleo do sujeito: professor(a).
Núcleos afins: sociedade em geral.

Nada a ver com valores ou valorização da classe. Os pontos de debate são incontáveis, mas o que me intriga hoje são as atribuições dadas ao professor.
Realizem: final de semana de "festa junina" e lá vou eu ver meu sobrinho dançar quadrilha - Os professores (maioria das vezes 'professoras') e demais funcionários da escola, que trabalharam a semana inteira atendendo a trocentos alunos, preparando lições, atividades, provas, etc, etc, etc... estão de volta, fora do horário de trabalho, devidamente caracterizados para o evento, arrastando suas turmas para uma apresentação ensaiada exaustivamente, para espectadores totalmente desatentos.
..................................................................................................................................
Qual é a verdadeira competência do professor?
É, de fato, papel da escola promover entretenimento e/ou adentrar em outras áreas que dizem respeito a princípios e particularidades do núcleo familiar?

Qualquer pessoa pode amar a sua profissão e dedicar-se a ela com todo o seu tempo e sua energia, mas que não vá além da sua competência.

Se sou professora de matemática terei o maior prazer em ensinar matemática e ver o progresso dos alunos... o resto é silêncio.

8 comentários:

  1. Tomar a liberdade de fazer o primeiro comentário.
    Pertinente. Seria muito importante uma discussão séria sobre o assunto. Os casos de professores esgotados, sobrecarregado são muitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Jonas!
      Bom seria se essas discussões acontecessem e contribuissem para o "bem geral da nação".
      Obrigada por visitar, ler e comentar.

      Excluir
    2. Com certeza esse tema deve ser discutido para avançarmos em todo o processo educativo. É lamentável termos que trabalhar os três turnos para podermos ter uma vida digna. E tudo é um círculo. Professores esgotados e sobrecarregados não deveria ser a regra do nosso sistema.

      Excluir
    3. Com certeza esse tema deve ser discutido para avançarmos em todo o processo educativo. É lamentável termos que trabalhar os três turnos para podermos ter uma vida digna. E tudo é um círculo. Professores esgotados e sobrecarregados não deveria ser a regra do nosso sistema.

      Excluir
    4. Com certeza esse tema deve ser discutido para avançarmos em todo o processo educativo. É lamentável termos que trabalhar os três turnos para podermos ter uma vida digna. E tudo é um círculo. Professores esgotados e sobrecarregados não deveria ser a regra do nosso sistema.

      Excluir
    5. Tem razão, Lídia. E o que mais me intriga (conforme mencionei no texto) são as responsabilidades terceirizadas e o trabalho que se estende para além do expediente e do compromisso profissional. Creio que esse sistema tem sua origem nas campanhas eleitoreiras.
      Obrigada por comentar.
      Beijos.

      Excluir
  2. Primeiro parabenizar esse "sujeito" que criou esse blog. Encantada...
    As discussões são urgentes, cada vez mais professores adoecendo: a síndrome de Burnout - a doença do esgotamento profissional. Fico triste por saber que tais discussões não são realizadas no âmbito escolar. É necessário uma reformulação do sistema educacional.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau, Suzanne!!! Encantada estou eu por ter você como leitora e comentarista. Obrigada por prestigiar. Se não for muita pretensão, espero que minhas humildes escritas possam servir melhorar um pouquinho o sistema.
      Beijo.

      Excluir